A EMOCIONANTE ENTREVISTA DE ALAN RUSCHEL DA CHAPECOENSE

ARNALDO BARROS CANDIDATO DA SITUAÇÃO É O NOVO PRESIDENTE DO SPORT
17 de dezembro de 2016
FLAMENGO DE ARCOVERDE É CAMPEÃO DA SÉRIE A2 DO PERNAMBUCANO
18 de dezembro de 2016

A EMOCIONANTE ENTREVISTA DE ALAN RUSCHEL DA CHAPECOENSE

ruchelAlan Ruschel se emocionou bastante durante entrevista coletiva nesta manhã

Primeiro sobrevivente brasileiro do acidente aéreo com a delegação da Chapecoense a ter alta, o lateral Alan Ruschel concedeu uma entrevista neste sábado em Chapecó e disse que estar andando é um milagre. Emocionado antes mesmo de começar a fala, o jogador, um dos seis sobreviventes da tragédia do dia 29 de novembro, conseguiu manter a calma e responder à maioria das perguntas sem pausas. Ele também expressou muita gratidão com o tratamento que recebeu na Colômbia e no Brasil desde que acordou na clínica em Medellín.

“Um momento que caiu aquele avião Deus me pegou no colo e falou que eu tinha mais missão aqui na terra, por isso ele não me levou. A única explicação, são dois milagres: eu estar vivo e o milagre de eu poder estar andando. Os médicos falaram que foi uma lesão grave que eu tive na coluna. Poder estar andando, é milagre de Deus”, afirmou o jogador.

Logo em sua primeira resposta, e emoção por tudo que viveu veio à tona. “Acho que não tem palavras para explicar o que eu estou sentindo. É uma mistura de sentimentos. Uma alegria por poder estar aqui de novo, sentado aqui. Mas ao mesmo tempo um luto por ter perdido vários”, disse, antes de cair no choro.

Ao longo da entrevista, Alan Ruschel voltou a se emocionar, chorou em alguns momentos, mas também mostrou bom humor e fez planos para o futuro. Ele inclusive disse que em seis meses espera voltar ao futebol.

“Eu fiz os meus cálculos (sorri). Calculei três meses para calcificar, já se passou um quase, mais uns dois meses e meio para fortalecer bem a coluna e mais uns três meses para recuperar massa, que eu estou só na capa do grilo agora (risada), e depois voltar a jogar”, disse. Segue abaixo trechos da entrevista:
Em honra dos amigos

(Me emocionei) Por ter perdido muitos amigos. Mas como eu postei uma foto esses dias, falando que seguir em frente honrando os que foram morar com Deus. Honrarei seus familiares que ficaram, que hoje estão sentindo a dor, farei de tudo para voltar a jogar, com muita paciência, mas farei de tudo para dar muita alegria para todo mundo que torce para a Chapecoense.

Lições do acidente
Temos que aprender a viver a vida. Nunca tinha planejado coisas para férias, final de ano. Estava indo para um jogo e simplesmente você não sabe se vai voltar, não sabe o que vai acontecer daqui dez minutos. O que eu levo de lição é aproveitar a vida e fazer o bem. O que fizeram comigo durante esses dias não tem explicação. O jeito que me trataram na Colômbia, aqui no Brasil, o que os médicos fizeram por mim não tem explicação.

Lembranças do acidente
Não. Eu lembro de sair de São Paulo, depois a gente chegando e Santa Cruz de la Sierra, depois saindo de lá. Não lembro do voo, do acidente. O que eu lembro depois é da minha esposa Marina falando no hospital.

Momentos de apreensão
Não sabia o que estava acontecendo e aos poucos foram me contando, e aos poucos a ficha foi caindo. Quando eu a vi eu não sabia o que estava acontecendo, não lembrava do jogo, não lembrava de nada. É uma coisa muito louca, não sei explicar o que aconteceu.

Mudança de assentos no avião
Teve (troca de lugares), quando a gente chegou em Santa Cruz de la Sierra a gente ia pegar o voo fretado e o Cadu pediu para eu sentar um pouco mais para frente para deixar os jornalistas sentarem no fundo. Na hora eu não quis sair dali… (pausa para um novo momento de emoção), aí eu vi o Follmann e por olhar para ele, ele insistiu para eu sentar com ele, aí eu saí de lá de trás e fui sentar com o Follmann. É uma parte que eu lembro.

Voltar para casa
É uma situação que todos vocês devem imaginar como é chegar em casa depois de dias de trabalho, viagem. Vocês sabem como é chegar em casa, ver sua família. Depois de toda essa situação, chegar em casa, dormir com minha esposa, ver meu cachorro, minha mãe, ter todo mundo em casa, para mim é uma sensação única, não tem explicação. Não tem palavras para descrever o momento que foi quando eu cheguei em casa.

Retorno à Chapecoense
Quando eu entrei aqui aqui, como eu falei para o Plínio (presidente, da Chapecoense), sensação de estar voltando para casa também. Falei para ele que vou dar muita alegria para ele, para todo torcedor da Chapecoense, com muita dedicação, esforço, trabalho, com certeza vou dar a volta por cima e voltar a jogar.

Fonte: Uol Esporte Futebol – Postado às 12:13

Comentários

Comentários

Sérgio Leandro
Sérgio Leandro
Administrador de Empresas, especialista em Gestão de Recursos Humanos, Instrutor de cursos na área de Recursos Humanos e Departamento de Pessoal, atuando como Gerente de RH de uma Empresa de Médio Porte. Estudioso em futebol association e idealizador do Bolão Bola na Trave.