SENTIMENTOS DA NATAÇÃO NA RIO 2016 É DE DECEPÇÃO

O SÁBADO FOI O ÚLTIMO DIA DA NATAÇÃO NA RIO 2016 E O FIM DA CARREIRA DO MITO MICHAEL PHELPS, SERÁ?
14 de agosto de 2016
HANDEBOL FEMININO TERMINA EM PRIMEIRO NA FASE DE GRUPOS
14 de agosto de 2016

SENTIMENTOS DA NATAÇÃO NA RIO 2016 É DE DECEPÇÃO

brunoBruno Fratus não levou medalha, e o Brasil ficou sem pódio no Rio 2016 na natação

Decepção. Essa é o sentimento da natação brasileira ao final das competições no Jogos do Rio de Janeiro. O Brasil deixa a competição sem nenhuma medalha conquistada, algo que não acontecia desde Sydney, em 2004. E, pior, isso acontece depois de um investimento histórico no esporte. Um investimento de mais de R$ 122 milhões, para ser mais preciso.

O valor, na verdade, é ainda maior que isso. Isso porque a conta leva em consideração os balanços fiscais de 2013 a 2015, dois dos três anos do período olímpico.

Neste período, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) teve receitas superiores a 122 milhões.

Mais de 10% deste valor veio atrás da Lei Piva, com repasses do governo diretamente ao esporte. O restante é de patrocinadores. Mas mesmo esse patrocínio é, quase que em sua totalidade, de uma empresa pública: o Correios é responsável por praticamente 90% do montante.

Vale ressaltar que a CBDA também cuida de outras modalidades, como o polo aquático, os saltos ornamentais, nado sincronizado e a maratona aquática. Mas não há muitas dúvidas de que a natação seja o mais importante entre eles – até pelo número de medalhas em disputa.

Com tamanho investimento, a expectativa era de pelo menos repetir o desempenho de Pequim ou Londres, quando o país acabou cada um dos Jogos com duas medalhas.

Para isso, havia pelo menos cinco bons candidatos: Thiago Pereira (sétimo nos 200m medley), Bruno Fratus (6º nos 50m livre), João Gomes (5º nos 100m peito), Felipe França (8º no 100m peito) e o revezamento 4x100m livre (5º).

O Brasil ainda surpreendeu com mais três finais. Marcelo Chiereghini foi 8º nos 100m livre, Etiene Medeiros foi 8º nos 50m livre, e o time masculino acabou em Xº no revezamento 4x100m medley.

Assim, o número de finais até que foi acima do esperado, mas a falta de uma medalha acabou frustrando – e muito – a participação da natação brasileira no Rio 2016.

O curioso é que o momento acaba sendo muito parecido com o de 2004, a última vez que o país ficou sem medalhas em uma Olimpíada. Naquela época, o Brasil vivia a transição entre Gustavo Borges e Fernando Scherer, o Xuxa, para a nova geração. Agora, o país acaba de sair do momento histórico de Cesar Cielo.

Fonte: ESPN.com.br – Postado às 10:58

Comentários

Comentários

Sérgio Leandro
Sérgio Leandro
Administrador de Empresas, especialista em Gestão de Recursos Humanos, Instrutor de cursos na área de Recursos Humanos e Departamento de Pessoal, atuando como Gerente de RH de uma Empresa de Médio Porte. Estudioso em futebol association e idealizador do Bolão Bola na Trave.